Quinta-feira, 4 de Novembro de 2010

"como se mata uma empresa"

Na PUBLICA de 24out2010, em artigo de capa sobre a atividade do administrador da insolvência, refere-se em título "como se mata uma empresa".

Ora, fica-se, desde logo, com a ideia, pelo menos quem não é familiarizado com a atividade, que esta profissão tem como objeto "matar empresas", o que, de todo, não é verdade, pelo que, só por isso, o título escolhido é o menos apropriado. Bem poderia dizer-se "como se recupera uma  empresa insolvente" ou "como se finaliza uma empresa" ou"como se extingue uma empresa" etc.

De facto quem mata a empresa são os seus dirigentes, por razões de mercado ou outras circunstâncias adversas, nunca o administrador da insolvência, pelo menos no sentido que o título, parece, querer atribuir-lhe.

O administrador da insolvência é um profissional, nomeado pelo tribunal para uma de duas coisas: recuperar a empresa que se encontra num estado quase terminal ou, no caso da recuperação não ser já viável, proceder à sua liquidação. Liquidação, contudo, não significa matar, mas sim revitalizar os seus recursos económicos disponíveis através da sua colocação no circuito económico, no mais curto espaço de tempo, com vista a poderem contribuir para o desenvolvimento e bem estar do País. É esta a sua  missão e não outra.

Naturalmente que no caso da insolvência, os credores, normalmente, saem muito prejudicados, ficando, por isso, muitas vezes, encolerizados com a empresa que não lhes pagou e por tabela também com as pessoas com ela relacionadas, desde logo, incompreensivelmente, o administrador da insolvência.

Isto é tanto assim que a própria PUBLICA no dia 31out2010 na sua secção "correio" publica o comentário de um leitor que é elucidativo quanto à imagem que a sociedade terá desta atividade. Aí o leitor refere que teve um caso concreto em que cada membro da equipa recebeu 45 mil euros, embora administrador da insolvência seja apenas um,  terminando com a frase: "chamar-lhes ladrões é pouco".

É certo que em todas as profissões haverá situações a lamentar. Mas será que este epíteto está apropriado? Será que a PUBLICA não teve mais nenhum comentário ao artigo, ou será que corrobora com essa opinião.

Confundir a parte com o todo é, no mínimo, lamentável. Só por ignorância ou má fé é que pode dizer-se uma coisa dessas.

LG

publicado por gomes98 às 17:05
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De rosário a 4 de Novembro de 2010 às 18:03
Apoiado! Também vi esse comentário que me revoltou profundamente!

Comentar post


> ver perfil

. 1 seguidor

>pesquisar

>Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

>Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

>posts recentes

> novo BLOg

> IMI (imposto municipal so...

> reclamação de créditos pe...

> qualificação da insolvênc...

> esperança no futuro

> insolvências 1º semestre ...

> deveres do administardor ...

> Lei Especial vs Lei Geral

> O CIRE vs interpretação d...

> Reversão para o administr...

>arquivos

>tags

> todas as tags

>subscrever feeds

> Legislação

vlex.it
Legislação
Jurisprudência
Contratos
Doutrina